quinta-feira, junho 29, 2006

hojefoiassim

Once i had this urge to go sailing, leaving the shore in a boat of wood.
Sailing, sailing on, all alone I will cast anchor a place where it's calm
and stay for a while, sit back and wonder how things are down under and smile.
Not the urge to go somewhere else, not the urge to blow away, not the urge to travel far
but the urge for stand still. I can imagine the fine weather, sunrays' playing between kind waves...
A jumping fish says hello and the birds are singing.
hanne_hukkelberg#castanchor

Otto e mezzo



-"All the confusion of my life... has been a reflection of myself!
Myself as I am, not as I'd like to be. "

terça-feira, junho 27, 2006

Try it inside

Não sei bem o porquê mas talvez pela sonoridade e pela raiz etimológica, nunca me lembro dela mas quando a ouço lembro-me

que dealbar é a minha palavra favorita.

[ ]

segunda-feira, junho 26, 2006

Durante muito tempo ouvi religiosamente aquele que, para mim, é o melhor programa da RUC.
Agora regresso à rotina de outros tempos e ouço o Ricardo Mariano no
trabalho, graças às maravilhas de técnica.
Louvado seja o Podcast.

A ouvir
aqui. (destaque para o tema de abertura do último programa : Certain Things You Ought To Know -Destroyer... Soberbo)

domingo, junho 25, 2006

Ok: 1. Eu não acho que o Camões fosse gay.
2. Há quem prefira ver Beckett ao bailarico de São João.
3. Não confundir o Canty com o Emmanuel Kant.


4. E esfregões, só Scotch Brito!


... p.s_ aouvir:theframes_laymedown.


(sim, eu gosto é de folk!)
O dia começou com o espaço a limitar-me o corpo.
O céu parece um tecto rebaixado e a luz cinzenta não me deixa abrir os olhos.

O tempo parece não passar. E as pessoas paradas nele.

Mais um domingo.



...



Acho que dormi demais.

segunda-feira, junho 19, 2006

quinta-feira, junho 15, 2006

PARTO SEM DOR

Hoje descobri que me apaixonei

...



Já passou.

quarta-feira, junho 14, 2006

1986. Andava na escola primária. Exactamente na primeira classe.
Vivíamos numa vivenda perto de Monte Gordo, a 5 Kilómetros de Vila Real de Santo António.
Lembro-me das grandes portadas em vidro que tornavam todo o espaço luminoso, da lareira qua a minha mãe teimava em não acender por nós sermos pequenas. Dos inúmeros vasos que a minha mãe coleccionava, da cozinha cor-de-laranja, da sala preta e vermelha, do cheiro a terra quando chovia, do Sol, da Ana e da Beta que vinham passar férias, das férias de Verão e das voltas de bicicleta, dos joelhos esfolados... e mil coisas mais...
Mas sobretudo lembro-me da cama dos meus pais.
A minha mãe entrava no trabalho às 8. O meu pai às 9. A minha mãe arranjava-me, dava-me o pequeno almoço e saía deixando-me um beijo na bochecha. Entretanto eu esperava pelo meu pai, que me prometia não se atrasar para me deixar na escola às 8 e meia.
O meu pai sempre teve um problema com horários, que acho que acabei por herdar.
Chegava à escola quase às nove da manhã. Entretanto tinha esperado uma eternidade pelo meu pai.E havia um ritual da espera:deitava-me e empurrava os joelhos para o peito para ver se aquela dor de barriga passava.Eram os meus nervos,pequeninos, já a prever o ralhete que a professora me ía dar, por ser sempre a última a chegar à escola.
Dessas temporadas de espera lembro o Por Este Rio Acima do Fausto, que o meu pai ouviu insistentemente durante uns longos meses, sendo que acabou por ser um dos meus discos preferidos de sempre.
O meu pai acabou por pedir à D. Luísa para não me ralhar, que a culpa dos atrasos era dele e que eu dependia dele para me trazer à escola.
Hoje lembrei-me disto... e tive saudades .


Andou por aqui esta manhã [primeiro, às voltas na minha cabeça]. Parei para ouvir. De outro tempo. Familiar. Bom.

segunda-feira, junho 12, 2006

quinta-feira, junho 08, 2006

Preciso de qualquer coisa nova para ouvir. P.S.: Aceitam-se sugestões e dispensam-se canções melodramáticas.

-" Mummy... when I grow up, I want to be a lucky bastard!"