sexta-feira, dezembro 30, 2005

All things must come to an end...


fotografia roubada ao aDeus

Este blogue acaba por aqui.
Respeitando a máxima que se repete nestes dias e que nos impele a querer entrar no "ano novo" com uma "vida nova" encerra-se por aqui este capítulo como parte de uma dita "vida velha".
Mais que tudo este espaço foi um barómetro dos meus estados de espírito.

Até

Fuck the pain away...


bullshit.. double dare...

quinta-feira, dezembro 29, 2005

quarta-feira, dezembro 28, 2005

"Apagas a luz. Deitas-te a meu lado. Sinto, mais do que vejo, a presença do teu corpo.
Estás quente.

Os meus olhos habituam-se à penumbra. Semicerrados, observam-te no acto de te despires. Primeiro, a blusa branca. Botão a botão, os teus dedos ágeis, lestos, desapertam o tecido e aguilhoam o meu desejo. Depois as calças. Levantas os joelhos, baixas os braços. Num gesto largo e hábil, libertas-te da roupa como uma borboleta de um casulo. Bates as asas, estás nua. Beijo-te.

Percorro os teus lábios. Provo as tuas pálpebras. Aliso o teu pescoço. Desço ao teu peito. A minha boca dardeja, húmida, procura agora a saliência do teu mamilo. Encontra-a. O teu corpo arqueia-se debaixo do meu. A tua respiração acelera, as veias do teu pescoço tornam-se salientes, o calor que irradia de ti sufoca-me, desidrata-me, incinera-me.

A minha boca desce, desce sempre. O teu velo púbico agora diante dos meus olhos. Analiso a topografia da tua vulva com a ponta da minha língua. Sabe a sal e a mar. Sabe à vida que há em ti. Demoro-me no teu corpo. Esquecemos os minutos que passam, imóveis. Todo eu me concentro, todo eu inteiro me focalizo num pequeno ponto de ti. Com a ponta dos meus dedos, detecto o sangue que te percorre, rápido, cada vez mais rápido. Com as minhas mãos, refreio o teu corpo que se me escapa.

Vou de encontro ao teu prazer. Tu lideras e eu sigo-te. Como se tivesse as tuas rédeas na minha boca, indico-te o caminho, lanço-te a galope. A tua boca abre-se num grito silencioso. O teu corpo levanta-se, catatónico. Levitas de desejo, ausentas-te de tudo. No breve instante em que ficas sozinha com o teu espasmo, com o teu prazer, és tu e só tu. Mesmo o meu corpo no teu é um mero detalhe, um acessório caricato daquilo que eu sou em ti.

Relaxas. De olhos fechados, o teu corpo descontrai-se como um polvo na pedra do cais. Levanto-me. Beijo-te, lenta e pausadamente. A minha boca sabe a ti, gosto de saber que te provas em mim. Devagar, devagarinho entro-te. Distancio-me, vou e venho. O teu corpo reage ao meu. Pressão aqui, toque ali. Vira-te, mexe-te, vem, assim, mais. Sussuro-te comandos ao ouvido. Palavras doces, palavras duras. Não páro, não paramos.

Minutos.

Horas.

Vezes sem conta repetimos os movimentos adamíticos, a posse, o desejo, está tudo aqui. Mas, quando me deito a teu lado, estou ausente. É como se me apetecesse estar noutro lugar qualquer, fora daqui. Em qualquer lado, menos aqui."






Se tanto me dói que as coisas passem
É porque cada instante em mim foi vivo
Na busca de um bem definitivo
Em que as coisas de Amor se eternizassem...

sophia, sempre ela



num grito mudo chamo por mim e a brisa lava-me o rosto...

terça-feira, dezembro 27, 2005

Aaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!



Hollow, Luke Chueh

Hoje o dia anda a correr bem!!!

No âmbito do concurso acima mencionado e na sequência da prova de Avaliação Psicológica realizada, lamentamos informar que o resultado obtido não permite a continuação no processo de selecção em curso.

Desejamos-lhe os maiores sucessos profissionais e apresentamos os nossos melhores cumprimentos.


TAP SERVIÇOS

Área de Recrutamento e Contratação

Ana Paula Godinho

A incerteza queima-me o rosto
e a pele diz-me que o tempo passa.

Já não sinto o pulsar do sangue...

Nos olhos cresceram-me algas, no coração uma pérola.

" E os barcos já não fazem escala à minha porta".

...

Moi je t'offrirai
Des perles de pluie
Venues de pays
Où il ne pleut pas
Je creuserai la terre
Jusqu'après ma mort
Pour couvrir ton corps
D'or et de lumière
Je ferai un domaine
Où l'amour sera roi
Où l'amour sera loi
Où tu seras reine
Ne me quite pas

Je t'inventerai
Des mots insensés
Que tu comprendras
Je te parlerai
De ces amants-là
Qui ont vue deux fois
Leurs coeurs s'embraser
Je te raconterai
L'histoire de ce roi
Mort de n'avoir pas
Pu te rencontrer
Ne me quite pas
...

segunda-feira, dezembro 26, 2005

Obrigada por seres meu amigo, pelas cervejas hoje no Bairro, por teres ainda paciência para aturares as minhas idas às lojas, à procura de qualquer peça de roupa que não existe. Obrigada pelos os anos partilhados, pelas manhãs a dois, pelas lágrimas, pelos risos com sharp pointy teeth. Que os golpes e marcas deixados em nós nos tenham ensinado qualquer coisa. Que as nossas existências não magoem os outros como nos magoámos a nós mutuamente. Que o amor seja eterno enquanto dure, já dizia o Vinicius.
Ambos amamos com as entranhas e com as vísceras e com todo o sangue que nos corre nas veias. Porque amar faz-nos sentir vivos. E porque quem nos tira o sentir as coisas pequenas tira-nos a vida!
'cause we're one of a kind...
porque tu gostas de noise e eu de folk, porque tu és do benfica e eu do sporting, porque tu és de matemática e eu de letras, porque tu gostas do campo e eu da praia, porque tu gostas da província e eu da cidade ... pelo equilíbrio na diferença... pelo passado ... por tudo... obrigada por te teres cruzado na minha vida.
Eu agora sei que procuro aquilo que não vou encontrar... é tudo um eterno retorno, a procura, num movimento perpétuo!

quinta-feira, dezembro 22, 2005

Dói-me saber-te existir em mim.
E a tua imagem asfixia a manhã.

Casa Branca

Casa branca em frente ao mar enorme,
Com o teu jardim de areia e flores marinhas
E o teu silêncio intacto em que dorme
O milagre das coisas que eram minhas.

A ti eu voltarei após o incerto
Calor de tantos gestos recebidos
Passados os tumultos e o deserto
Beijados os fantasmas, percorridos
Os murmúrios da terra indefinida.

Em ti renascerei num mundo meu
E a redenção virá nas tuas linhas
Onde nenhuma coisa se perdeu
Do milagre das coisas que eram minhas.

Sophia de Mello Breyner

quarta-feira, dezembro 21, 2005



Bossa Nova, Funchal, Teuc...

Em formato Linux

Se não houvesse Natal eu ía poder ver os Loosers.

segunda-feira, dezembro 19, 2005

E dizem vocês: não terei eu mais que fazer do que andar por aqui a escrever?
E eu digo: é verdade, tenho... sobretudo porque a prioridade agora é arranjar trabalho, mas isto das Relações Internacionais até é giro porque no fim têm-se conversas de café muito interessantes sobre política internacinal, GATT's-OMC's-and-all that bullshit e um gajo faz um brilharete do caraças. Mas trabalhinho que é bom, tá quieto ó mau! (Deixo desde já um enorme saravá aos meus paizinhos que ainda me sustentam... espero eu que por pouco tempo!)

Mas problemas à parte quero aqui fazer uma homenagem rasgada aos homens da minha vida (sem contar com o meu rico paizinho e o homem que personifica aquilo a que Teixeira de Pascoaes chamou Homem Universal - que me têm aturado durante tanto tempo... e ainda hoje!).
Os homens da minha vida a que me refiro são aqueles que ao longo dos tempos me têm sussurado coisas bonitas ao ouvido, me têm cantado as frases certas nos momentos certos, que me acompanharam no choro e no riso, nos dias de chuva, nos dias cheios de sol, de vento, de frio e naqueles de mais calor!
São os senhores que compoêm a minha lista de referências musicais:
/ /
//

A legenda,da esquerda para a direita: tom waits, nick cave, peter murphy, david bowie, leonard cohen, ian brown, mark kozelek... Obrigada pela companhia e pelas palavras!

E a todos aqueles que passaram pela minha vida, os mais efémeros e os resistentes, obrigada pelo tempo, pelo carinho, pelo calor. Por me terem feito sentir menos só.. nem que apenas por uns minutos!
Por me fazerem sentir que I deserve to be happy!

A César o que é de César...


No fim do ano, como é apanágio da época, toda gente faz listas com aquilo que considera ter sido os melhores filmes e álbuns de 2005.
Deixo essa tarefa para aqueles que realmente percebem de ambas matérias.
Contudo não posso deixar de referir que, se a minha modesta opinião contásse para qualquer coisa, o galardão para filme do Ano de 2005 era atribuido a Jonathan Caouette, pelo seu Tarnation.
Tendo estreado este ano em Portugal saiu ao público norte americano em 2003 (efeito delay da Península Ibérica... sim porque em Espanha ainda é pior o atraso!).
Já falei aqui sobre o filme, quando o fui ver ao King.
Tendo sido filmado em diversos formatos (Super-8, Betamax, VHS, Hi-8 e Mini-DV), o filme transporta-nos para o epicentro de um ser (o próprio Jonathan) que, com uma enorme lucidez, desde cedo foi criando pequenas curtas para escapar ao drama da sua existência diária. Para mim é uma história de amor e devoção à mãe (de ressaltar a sua beleza enquanto jovem).
A pureza do sentir no meio de um turbilhão desenfreado de sentimentos...
Perturbante e muito bonito ao mesmo tempo
A banda sonora também não podia ser melhor ( Low, Red House Painters, Lisa Germano, Iron & Wine. Cocteau Twins...).
Antes de sair de casa...



Diga Bom Dia com a Rough Trade!!




e tomada de assalto a minha memória transportou-me para os anos 90. Vi-me a acordar para ir para a escola ao som dos Sundays, que frequentemente ocupavam as manhãs da Antena 3, com o José Marinho e a Mónica Mendes.
O Here's where the story ends punha-me a saltar da cama! Era um bom indício para o dia.
Em 2005 estes senhores voltaram a fazer as minhas manhãs. Era a sagrada banda sonora de abertura da XM...
Hoje está echoing in my mind... deve ser um bom sinal...

domingo, dezembro 18, 2005

Em Loop
Loop
Loop
Loop Loop Loop
Loop
Loop
Loop Loop Loop Loop Loop
Loop Loop Loop Loop Loop

Loop Loop Loop Loop Loop
No meio deste dia cheio de cores e luz descobri que o mundo não desaba. O chão mantêm-se debaixo dos nossos pés e o céu também não nos vai cair em cima da cabeça... (por Toutatis)!
Como dizia o Pessoa "Eu não sou do meu tamanho. Tenho antes o tamanho daquilo que vejo".
E hoje sinto-me feliz!!*
"There is so much noise There is too much heat And the living floor Throws you off your feet As the final day falls into the night There is peace outside In the narrow light "
* Nota: já agora, para a felicidade ser completa, como é que eu arranjo bilhetes para os Depeche Mode? Francisca: vamos!!

Prémio "companhia"

Este ano os Block Party ganham o prémio "amigo 2005". Para mim, com ou sem remisturas...

tic tac...

O meu relógio biológico gosta de dar sinal...



... é pena é estar com o fuso horário desfasado do tempo real.

sábado, dezembro 17, 2005



Foi um choque frontal, com lesões graves para o condutor. O passageiro do lado não apresenta lesões físicas.
O veículo contra o qual embateu saíu da faixa de rodagem chocando contra um pequeno muro.
Sofreu também ferimentos de alguma gravidade.

"Acho que isto é um erro..."

Eu avisei-te.
A culpa não é minha.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Pin [me] up...



No Ocidente, neste nicho do mundo em que vivemos ao qual chamamos de mundo civilizado (a jeito de teoria antropológica demodé e colonialista) a figura feminina é quotidianamente espatilhada.
É-nos imposto um modelo estético padronizado ao qual todas deviamos responder. As indústrias - da moda, da música, a publicidade e artes em geral - definiram para o género feminino o protótipo a seguir. Basta ligar o Fashion Tv, a MTV ou esperar pela publicidade entre telejornais ou telenovelas em prime time para perceber de que protótipo falo.
É o da mulher bonita, sem celulíte, alta, magra, bem vestida, com tudo no sítio.
Verdade é que ser assim custa tempo e dinheiro... muito.
Qual é a mãe de família que tem tempo para trabalhar, cuidar dos filhos, da casa, da carreira e ainda para se ir enfiar num ginásio? E que como se não fosse pouco tem que gastar carradas de contos em cremes milagrosos que combatem rugas, flacidez e atacam a celulite, qual Glutões do Presto?
Eu estou-me um bocado nas tintas para estes grilhões que nos querem prender. Nem que seja por saber que são meras representações sociais facilmente desconstruídas pela sociologia. São fruto de estratégias de mercado e que usam a venda de uma imagem-tipo para escoar produtos sem os quais a humanidade sobreviveria igualmente. É o capitalismo em acção!
O alvo fácil, aquele que mais facilmente é influênciado por factores externos (no que toca à publicidade)?
As mulheres. Duas vezes burras. 1- obrigam-nos a obedecer a padrões de beleza; 2- e nós caímos na esparrela!!
Eu também caio nela, mas pelo menos faço-o com consciência disso.

Contudo a exploração da imagem, do corpo da mulher pode resultar em coisas belas. O Helmut Newton tem na sua obra um sem fim de nús de mulheres, com uma enorma carga sexual, a transpirar sensualidade... contudo gosto imenso daquela estética. Como ele outros também utilizam a figura da mulher para criar,vender... Parece-me é que dentro daquilo que é a banalização da imagem da mulher, esta nem sempre é vandalizada.
Por exemplo...



as Pin Ups, tão típicas do imaginário norte-americano no periodo entre Guerras, causam em mim uma grande atracção estética. Acho bonito o misto de inocência e sensualidade que carregam.
Não me ofende o uso que é feito do corpo da mulher. Gosto do resultado que vejo.
Para algumas feministas este tipo de opiniões será visto como blasfémia. Heresia!!!
Não me considero menos feminista que elas. Tenho apenas uma concepção estética divergente.

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Francisca: this one goes for us!!!

Well, imagine it's a film & you're the star & pretty
Soon we're coming to the part where you realise that you should give your heart
Oh give your heart to me.
Now the orchestra begins to make a sound
That goes round & round & round & round & round & round & round & round & round again
And we kiss to violins.
Well some sad people might believe in that I guess
but we know better don't we?
We know all about the mess.
The aftermath of our affair is lying all around and I can't clear it away.
No. And d'you think that it's so easy to find?
Somebody who is just your kind?
Well it might take you a little time but I'm going to have to try.
Oh yeah I'm gonna try.
And I know no-one can ever know which way to head
But don't you remember that you once said that you liked happy endings?
And no-one can ever know if it's going to work
But if you try then you might get your happy ending.
pulp


O estado em que se encontra este blog:




ou como sobreviver a um dia no meio da burocracia e aceitar que um licenciado em Relações Internacionais tem no IEFP a categoria de Relações Públicas e Técnico de Turismo!

wake up call...



O Jorge faz anos amanhã e a Ana é a antropóloga mais "esperta" do planeta e teve 19 na tese de licenciatura!
Logo à noite há festa no prédio vermelho!


When your heartaches make your best friend say ...

"isso põe-me deveras triste porque acaba por chupar-te as energias todas que tens. aquelas que realmente te tornam alguém verdadeiramente bela.
e acaba por se ir embora aquele brilhozinho nos olhos....aquele que tens..."

... makes one think.
Does it worth a thing?
The answer: NO!


Your star will shine again one day
Through deep blue velvet skies
Shine for all the world to see
The universe in your eyes
When the storm outside is raging
And the dogs they howl your name
Lay down and sleep , i'll kiss you
You're star will shine.
Hush my darling, don't you cry
I'll stay by your side until morning
All through the night I'll watch the skies
And your distant sun will shine
Like the gun that's trained
Right between your Daddy's eyes
stone roses, your star will shine, second coming
Não gosto de mim [assim]

Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não NãoNão Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não... ... ... ... ... !!!

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Another morning

Um punhado de palavras vazias enchem a manhã.
A boca a saber a sangue
O pulsar do eco em mim traz-me à memória a fragilidade do ser
E mais uma vez o caminho é frio
Na fímbria da existência
Revejo-me na película amerelecida.
Nascem das vozes novos seres que não sei
Caminhos alheios com que me cruzo
Corpos que passam e procuram novos corpos
A volatilidade do querer
O efémero da posse
Acreditar no vazio.
Assim nascem sonhos
Que se desvanecem em cristais de prata
De retratos que o tempo apaga.
Procuro o calor em mim
Por saber que a única chama que carrego
É a minha.
O trilho agora pertence a outros que não eu.
Rendo-me à evidência do corpo morto.
Sem força para seguir
Recolho-me em pedaços e medito no meu regresso.
Noutra cor.
Arranco de mim a dor que fica
E esvazio-me.
Dói-me o peito.
E não consigo respirar.
Dói.me o corpo.
E aquela mão que afasto asfixia-me o coração.



Nothing ever seems to make you happy
Are you miserable babe
or are you just plain mean?

Is there no joy in you?
Well come on, don't keep me waiting
Your broken heart might bring you heaven - to heaven
but it will not bring you another morning,
another morning with Kathleen

Someone does you wrong you give away your whole life to prove it
You wear your pain with pride, you refuse to remove it
You become the evil that plays with you like a doll
Big rules only make our lives small

Was your voice never heard?
Well come on, you know we’re all listening
Justice will only bring you a prison - a prison
And it will not bring you another morning,
another morning with Kathleen

Now you’re the big expert with the truth
Now you’re all apple pie and you’re bulletproof
There must have been a short 5 minutes somewhere in your youth
But when you laughed like water breaking over the broken land
When you laughed like the wind burning the sun blind on your face
When you laughed like water breaking over the broken dam
When you laughed like the starting gun at the start of a race
I wanna smash the violins at the symphony
I wanna see you smile with a real simple melody
It's when you wake up and you're glad that you're breathing
It's when you wake up and you're glad that you're living
Well, that’s another morning
another morning with Kathleen.

mark eitzel, american music club- another morning


Oito e quinze da manhã. Who made Who.
O sol lá fora e eu sem pregar olho.
O Louçã na Sic Notícias.
O remorso a cheirar a ressaca.
Muitas horas de sofá.

É urgente um novo princípio.

Como tudo começa num ponto...

cá vai
.

Talvez o Freud explique, talvez não.
Se calhar percebo agora a minha simpatia pelos Einsturzende Neubauten.
São os andaimes, senhor! São os andaimes!

sábado, dezembro 10, 2005

DON'T STOP 'TILL YOU GET ENOUGHT


Hoje, a partir das 23 horas festa aqui!

Fica feito o convite...
...e que o senhor nos acompanhe!!

Entre o sol e o calor do sul...

Ente isto

e um mar a perder de vista, muitas vezes me veio à cabeça o Pessoa com estas palavra lúcidas:

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Euverifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.


...
e acho que o neil tem razão-
A maid. A man needs a maid.
A maid.

It's hard to make that change
When life and love turns strange.
And old.

To give a love, you gotta live a love.
To live a love, you gotta be "part of"
When will I see you again?

terça-feira, dezembro 06, 2005

Some have it. I don't...



-"Realmente o vestido fica-lhe muito bem. É pena não ter mais peito. É que esse decote pede mesmo um peito maior!"
Now I'm depressed!

O fim do 5 do 12


-"Ó Ana arregaça a saia e deita os pés ao mar!"

sábado, dezembro 03, 2005

au revoir... bang bang



Ontem ofereceram-me a companhia destas meninas.
Hoje acordei com elas...



Um nome bonito para uma label!

Onde é que é que isto se desliga?

Há dispêndios de energia que são completamente inúteis. Isto porque, como a própria palavra inútil indica, não vão causar nenhuma alteração à trajectória que a matéria descreve.
Então se uma máquina gasta energia sem ter algum efeito prático, se o gasto não faz com que a função da máquina seja cumprida para quê tê-la ligada?

sexta-feira, dezembro 02, 2005



Este Natal, junte 20 códigos de barras de embalagens de qualquer perfume Armani e habilite-se ao sorteio de um exemplar do género masculino idêntico ao apresentado na imagem.
Atenção: rapariga não incluída na promoção.
Idade limite para concurso: 25 anos.

Some have it, some don't....

Quando for grande quero ser como ela!

Hoje acordei assim...

quinta-feira, dezembro 01, 2005

A Brigitte não estudou sociologia !


Esta é a cara de quem não está a estudar Sociologia das Organização.